Sábado, 18 de Abril de 2009

Chegou correio da província

 Traz apenas um diálogo:

 

A Camponesa foi à cidade no safanão da camioneta saudar o Escritor. O Abril vestia-se com as cores da Primavera. Trazia na maleta um papelinho dobrado com cuidado, não lhe fossem afrouxar as palavras na boca naquele momento de aperto. Assim e após o intróito descomedido em exclamações e reticências, que é como quem diz, em cumprimentos e espanto, ela abalançou-se:
- Escritor, quero dar-lhe um beijo, daqueles que só as palavras descrevem e essas encontrei-as no interior do seu livro. Na intimidade de um quebra-luz vi maremotos na sombra de corpos fogosos; escutei sons de fúria, de solidão e esperança; senti uma vida supérflua e dourada; percebi a coragem que só existe na vontade de ser feliz; o Alexandre, a Delfina, a Mariana, a Patrícia, o Gil e o Russo habitam o meu imaginário em páginas que são varandas urbanas. Parabéns Escritor e obrigada pela obra de arte que aos meus olhos chegou em felizardos vagares.
- Camponesa, posso beijar-lhe as mãos?

publicado por Perplexo às 11:00
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Cláudia Oliveira a 30 de Abril de 2009 às 10:40
Espero encontrar livros seus na biblioteca quando passar por lá, hoje.

Comentar post

mais sobre mim


ver perfil

. 21 seguidores

O meu blogue

Perplexo

 

 

arquivos

Dezembro 2012

Novembro 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

subscrever feeds